Servidores de Jesus

Grupo Espírita em Niterói-RJ

Tag: vida

O mundo novo

O mundo dará um salto quântico quando sua população abandonar o velho hábito alimentar vigente hoje. O canibalismo inconsciente traz terríveis consequências para o corpo e também para a alma. Reformar as gerações futuras para essa nova educação se faz mister em escolas e educandários da alma. Somos todos responsáveis pelo futuro do Planeta. Todos os habitantes merecem viver. Mais do que isso, precisam não ser exterminados e deixar de serem fabricados em massa, servindo a uma linha de produção que enriquece materialmente ao produtor e dementa severamente o consumidor distraído, que se vê quase obrigado a consumir sempre mais.

Quando a compaixão pelos irmãos animais ressoar na alma dos filhos da carne, eles se compadecerão de todo o resto. Quando o homem
verdadeiramente amar a Natureza tudo será belo e ele não mais conseguirá mover-se sem pensar no impacto gerado por essa movimentação.

Jesus nos recomendou que amássemos uns aos outros, mas fomos sempre selecionando a quem amar. Jesus recomendou que perdoássemos e que não julgássemos, mas a nossa atitude inclemente para com os animais é não perdoar sua condição de vulnerabilidade e submissão; e decidir que devemos nos utilizar deles de forma cruel e predatória é condená-los em um julgamento sem direito à defesa.

Toda a humanidade é englobada em um só coração. Precisamos
urgentemente aprender que o coração a pulsar nos bois e coelhos, cães e gatos e lindas cotovias é o mesmo que bate em nosso peito e anseia pela vida.

Vida em abundância é vida feliz, mas a felicidade sem pecha só pode
acontecer se não resultar do sofrimento de outrem, seja quem for.

O trabalho que vem sendo desenvolvido é de suma importância e de extrema beleza. O belo consiste em respeitar e admirar todas as formas de vida. Olhar-se no espelho e ver refletida a Terra inteira é ver o belo em nós.


Nossos votos são de consciências sendo despertadas mais e mais a cada dia para que no grande cântico da natureza possamos entoar em forma de música: Somos todos um com o Pai!

Um servo dedicado
04/06/19

Mensagem aos corações

Que a luz de Maria esteja com todos vós neste momento!

Só o amor transforma e salva as almas que se transviaram no caminho, só o amor, bem o sabeis.

Na impossibilidade do amor puro que ainda não somos capazes de sentir, abramos a janela da compreensão, da tolerância e do silêncio. Todos somos ainda tão necessitados, como cobrar do outro aquilo que, por hora, não somos capazes de realizar em nós.

O lar é a escola santa da reparação e, também, do repouso necessário à vida que continua sempre. É nele que teremos que reajustar todas as nossas imperfeições. Só nele compreenderemos o verdadeiro sentido do entendimento e da paciência. É sabido que lares há em desalinho e perturbação e, justamente, nesses mais se faz necessário o trabalho redentor. O labor da Regeneração que começa no íntimo de cada um tem sua primeira manifestação externa no lar e essa mudança de atitude deve acontecer com segurança e harmonia, de forma a dar cabal cumprimento à tarefa que nos foi confiada. Ademais, caso consigamos a estruturação desse lar, esse nos servirá de abençoado repouso ao corpo e à mente cansados após cada dia nas refregas vividas.

Não procuremos no outro a causa do problema, não apontemos o dedo de maneira a se fazer perceber a corrigenda sem carinho. Vamos juntos, cooperando na restauração dos erros. Se os diletos entes que nos cercam têm problemas, muito mais nós os temos, por não conseguir entendê-los. Tratemos de olhar para dentro, percebendo as imperfeições que nos dominam; corrijamos em nós a falha que vemos no outro e o outro será aos nossos olhos apenas companheiro de jornada, ao qual nos cabe orientar e socorrer.

A lição é individual e, também, coletiva, já que não há ser isento de família, ainda que não resida momentaneamente acompanhado independente da razão.

A compreensão e o exercício do amor é para todos e em todos os momentos da vida.

Que a paz habite os vossos corações!

© 2019 Servidores de Jesus

Theme by Anders NorenUp ↑