Servidores de Jesus

Grupo Espírita em Niterói-RJ

Author: GESJ (page 1 of 8)

Bula e Evangelho

Assim como ao nascermos somos considerados um presente de Deus por àqueles que escolhemos para serem nossos pais , também desse mesmo Deus recebemos o presente da reencarnação que nos foi concedida para que tenhamos a oportunidade de evoluir através da reparação dos nosso débitos em vidas passadas.

Esse presente tão especial – a reencarnação, vem com determinado prazo de validade estipulado e certificado de garantia, que está na dependência de como é utilizado para melhor entendimento do que se refere ao prazo de validade e certificado de garantia devemos estabelecer uma comparação entre a bula que acompanha todo medicamento que se destina à cura das mazelas da matéria e o Evangelho que reúne os ensinamentos de Jesus que vão nos auxiliar na cura das mazelas espirituais.

A bula que acompanha os medicamentos estabelece as recomendações imprescindíveis para garantir a eficácia do tratamento para o corpo físico, enquanto que o Evangelho dita os ensinamentos de Jesus para que o presente da reencarnação atinja a sua eficácia, permitindo que o processo evolutivo seja progressivo e permanente.

É o maior ou menor grau de obediência tanto à bula como aos ensinamentos do Evangelho que vão contribuir para reduzir ou dilatar o prazo de permanência da vida no Planeta.

Como zelar para que o presente da reencarnação seja aproveitado de forma eficaz vai depender do grau de evolução que cada ser humano já tenha adquirido , uma vez que, somente a ele cabe essa responsabilidade.

Como é de hábito sempre que somos presenteados, agradecer pelo presente recebido, só nos cabe demonstrar ao PAI MISERICORDIOSO nossa gratidão através do empenho e do esforço para nos deixar guiar pelos seus ensinamentos.

Desapego

O DESAPEGO, como quaisquer outros vícios do ser encarnado em busca de evolução, exige muita perseverança e persistência para criar raízes na consciência de que aos poucos precisa ser combatido para que possa contribuir para que a evolução se torne um processo mais eficiente e mais ágil ou menos lento e menos doloroso.

O desapego como uma exigência, um pré-requisito para a elevação do Espírito não se restringe ao desapego de objetos de valor material, mas ao desapego de sentimentos que se relacionam com outros vícios próprios do ser humano como o egoísmo.

O desapego pouco a pouco quando praticado no ambiente das relações humanas torna-as mais saudáveis e pode reduzir, até mesmo, a incidência de graves incidentes geralmente associados ao sentimento de posse.

O desapego pode ser treinado, pode ser exercitado na rotina do dia a dia quando, por exemplo, perdemos um bem material ao qual estimávamos com um certo grau de afetividade e aceitamos com resignação essa perda.

É comum a reação de descontentamento quando somos (nos vemos) obrigados a abrir mão em favor de outrem apenas por um certo apelo à consciência do conhecimento da Doutrina que já dominamos.

A prova mais contundente de que ainda não superamos o vício do desapego é a reação diante do desencarne de um ente querido.

O sofrimento é tão intenso que põe por terra o pouco que entendíamos já dominar sobre esse vício.

Vencer, abolir, exterminar quaisquer dessas mazelas da alma é com certeza uma prova que se assemelha a de conquistar uma virtude, até por que, a luta do bem contra o mal requer além da persistência e da perseverança, um grau de paciência que são virtudes ou sejam qualidades no ser humano que, também, se encontram em fase de aprimoramento, de conquista.

Eis o impasse!

Se o desapego exige virtudes que ainda carecem de ser conquistadas, como praticá-lo?

Esbarramos na necessidade de reforma íntima, outro processo por si só, também de difícil conquista por exigir um somatório de outras conquistas para que se realize.

Só o tempo e o nosso empenho vão permitir que o processo evolutivo se processe.

Lá se foi o tempo!

Lá se foi o tempo em que uma das formas de comunicação era o diálogo sempre presente nas relações afetivas.
Lá se foi o tempo em que a comunicação envolvia um sentimento de afeto.

Um sentimento carinhoso.

Lá se foi o tempo em que a comunicação era o veículo usado pelos membros de uma família para estreitar os laços de uma união sincera.

Lá se foi o tempo que através da comunicação os avós contavam história para seus netos, os pais aconselhavam seus filhos e a imprensa divulgava notícias sérias em que se podia acreditar.

Lá se foi esse tempo.

E há algum tempo progressivamente a comunicação vem passando por um processo de deterioração que perdeu todo esse aspecto de transmitir ideias, conselhos, ensinamentos e se transformou num veículo de incitação ao ódio e a violência obrigando a todos nós ter muita cautela ao tentarmos nos relacionar uns com os outros.

E há algum tempo que o diálogo, o bate e papo entre a família e amigos foi substituído pelo avanço da tecnologia de tal forma que se tornam cada vez mais destituídas de calor humano e o que é pior meio de vinculação de ideias e pensamentos que exigem cada vez mais que àqueles avós, àqueles pais de um passado que deixou saudade se obrigam a s preocupação constante e permanente com esse aspecto profundamente negativo que tomou conta da comunicação que de prazerosa se transformou em
desastrosa.

E, se já algum tempo esse fato vem sendo constatado no dia a dia de nossas vidas já é mais que tempo de nos prevenir contra os prejuízos que vem causando a geração atual e poderá atingir as futuras seguindo rigorosamente um dos conselhos de Jesus em seu Evangelho: ORAI E VIGIAI!

MUITA PAZ

Não desperdice momentos

Ouvimos e também repetimos com freqüência:
Não desperdice os momentos de sua vida.

Quando assim agimos não estamos dando a esse não desperdice o significado ou a conotação que deveria estar contida nesse aconselhamento.

Associamos, equivocadamente, o não desperdice a ideia de que está intimamente relacionada a lazer.

O não desperdice a luz dos ensinamentos de Jesus tem um significado muito mais abrangente – não desperdice nenhum momento por que a vida é feita de momentos e esses momentos devem ser aproveitados para colocar em prática atitudes e ações que frutifiquem e propicie oportunidades que vão permitir e evolução do Espírito a quem o PAI presenteou com muitos momentos na atual reencarnação.

Esses flashes de toda uma existência vão somar momentos que possibilitarão resgatar débitos através da prática do bem e corrigi-los aprimorando as virtudes que ao final de todos os momentos que nos foram concedidos vão ser contabilizados para permitir estabelecer as condições da evolução do Espírito no plano superior.

Não desperdice os momentos que favoreçam sim, que desperdice a grande oportunidade de galgar degraus a mais na ascensão a outros planos da vida espiritual.

Não desperdice os momentos que já permitiu que adquirisse os conhecimentos que já sedimentou e que são preciosos para seguir a sua trajetória em direção a luz divina.

Não desperdice, inutilmente, os momentos que o seu atual grau de elevação lhe permitiram ter a convicção de que não contribuirão para o seu processo de reforma íntima.

Não desperdice momentos com sentimentos de ódio, raiva, ressentimentos e mágoas.

Não desperdice momentos que possam ser sempre convertidos em tempo de perdoar e de amar ao próximo como a si mesmo que é o maior aconselhamento deixado por Jesus em seu Evangelho.

Muita luz e paz!

Reforma interior

Transformar sentimentos, iluminar pensamentos. Somos, nessa hora, convidados à mudança de postura. As atitudes diante de todas as circunstâncias da vida devem ser movidas pelo sentimento mais nobre que possuímos para que caminhemos rumo ao amor.

Que tipos de amor já conseguimos sentir? Que tipos de afeto conseguimos doar? Refletir acerca disso constitui tarefa importante para que melhoremos sempre a qualidade dos sentimentos que emitimos.

Se estamos todos destinados ao amor e se, em humanidade, somos todos irmãos, se faz preciso esse reconhecimento do outro em nós para que entreguemos ao outro o que gostaríamos de receber. Pensar no meu próximo como parte integrante de mim, me aproxima dele. Dessa maneira, só farei a ele o que gostaria que me fosse feito.

Ó, irmãos, a Lei é tão simples! Simples porque caminha em linha reta. O caminho tortuoso, esse, nós o fazemos.

Sigamos, desde já, pensando no bem para que o bem suceda em nossa vida.

A mensagem de Jesus foi de Amor; todos os seus ensinamentos se resumem no Amor. Então, amemos, amemos muito a todos os seres existentes e que podemos conceber.

Que a luz excelsa do Nosso Pai de Amor seja com todos.

Um amigo.

Mensagem de Esperança

Somos todos mensageiros

De uma grande voz

Trabalhando como obreiros

Desatando todos os nós

Viajantes de todas as eras

À cavaleiro das circunstâncias

Até aprender com a dor

A reviver na esperança

Sofrendo o suplício do calvário

Como se fosse em nossa pele

Chorando e rezando nossos rosários

Para que o sofrimento não nos enregele

Mas a experiência nos ensina

Que no mundo, tudo é passageiro

Não desanimar, nem desistir

Não dar asas ao desespero

Um dia, no caminho, amadurecidos

Conseguimos compreender

Que a vida ensina sempre

Basta ter olhos de ver

Pedimos a Jesus

Todas as bênçãos dos céus

Já que em seu testemunho na cruz

Subiu rasgando todos os véus

Muita luz!

Mensagem aos corações

Que a luz de Maria esteja com todos vós neste momento!

Só o amor transforma e salva as almas que se transviaram no caminho, só o amor, bem o sabeis.

Na impossibilidade do amor puro que ainda não somos capazes de sentir, abramos a janela da compreensão, da tolerância e do silêncio. Todos somos ainda tão necessitados, como cobrar do outro aquilo que, por hora, não somos capazes de realizar em nós.

O lar é a escola santa da reparação e, também, do repouso necessário à vida que continua sempre. É nele que teremos que reajustar todas as nossas imperfeições. Só nele compreenderemos o verdadeiro sentido do entendimento e da paciência. É sabido que lares há em desalinho e perturbação e, justamente, nesses mais se faz necessário o trabalho redentor. O labor da Regeneração que começa no íntimo de cada um tem sua primeira manifestação externa no lar e essa mudança de atitude deve acontecer com segurança e harmonia, de forma a dar cabal cumprimento à tarefa que nos foi confiada. Ademais, caso consigamos a estruturação desse lar, esse nos servirá de abençoado repouso ao corpo e à mente cansados após cada dia nas refregas vividas.

Não procuremos no outro a causa do problema, não apontemos o dedo de maneira a se fazer perceber a corrigenda sem carinho. Vamos juntos, cooperando na restauração dos erros. Se os diletos entes que nos cercam têm problemas, muito mais nós os temos, por não conseguir entendê-los. Tratemos de olhar para dentro, percebendo as imperfeições que nos dominam; corrijamos em nós a falha que vemos no outro e o outro será aos nossos olhos apenas companheiro de jornada, ao qual nos cabe orientar e socorrer.

A lição é individual e, também, coletiva, já que não há ser isento de família, ainda que não resida momentaneamente acompanhado independente da razão.

A compreensão e o exercício do amor é para todos e em todos os momentos da vida.

Que a paz habite os vossos corações!

Volta ao Pai

Sofrer neste mundo é a morte

Pensam os viajores

Não sabem como têm sorte

Ao poder curar seus amargores

Somos todos precisados

De um pedaço de pão

Estamos todos igualados

Num mar de defecção

Mas Deus que é soberano

Nada de mal vê nisto

E sigamos confiando

Andando de braços com Cristo

Um dia meu Pai me disse

Nenhuma ovelha se perderá

Não quisera que eu partisse

E eu pra Ele vou voltar

Quem quiser pode vir junto

Só tem que trabalhar

Tem lugar pra todo mundo

Basta orar e vigiar

Sementeira de amor

Quanta vida há em nós

Olhos que riem, olhos que choram

Mas não estamos sós

Somos todos mensageiros

Das cantilenas do além

Que refrigeram a alma

Dos que queremos bem

Precisamos agora de toda doçura

Para que mundo afora

Espantemos a amargura

Essa incrível multidão

Dos últimos trabalhadores

Verá enfim a vastidão

Do mundo em milhares de cores

Ajudar a quem precisa

É trabalhar sem cessar

Mas nada disso importa

O mais da vida é se doar

Seja para quem for

Pobre, rico ou doutor

Ninguém há neste mundo

Que esteja livre da dor

Sejamos semeadores

E saiamos a semear

Boa semente em terra fértil

Para um bom porvir esperar

A imaginação, a caridade e a mediunidade

É pela ordem mental, além da perispiritual, que muitos de nós, espíritos, nos apresentamos para a jornada na Terra de esclarecimentos e desenvolvimento do ser humano rumo a Deus.

É preciso compreender que a mediunidade cristã se desenvolve por dois aspectos fundamentais: a mente e a caridade.

A mente, com sua constituição imagética e simbólica, é uma via fértil para a canalização dos nossos pensamentos, os dos espíritos, em comunicação com o plano terreno. É na imagem mental que muitas vezes encontramos pontos de conexão para a abertura da mediunidade. Portanto não se enganem se, às vezes, de uma imaginação humana, nasce a chama da comunicação mediúnica. Algumas vezes ela é uma chave da conexão que liga o perispírito do médium com o perispírito do comunicante, mutuamente. Este é um tema de necessário aprofundamento, tanto no campo da Psicologia quanto do Espiritismo.

Por fim, a caridade, elo sublime que faz com que o perispírito do médium se dilua com o aparelho mental do comunicante para que se formalize o pensamento a ser transmitido na via do bem. O médium, imbuído do sentimento de caridade, é um caminho aberto para a espiritualidade Cristã que ajuda a desenvolver o aparelho mediúnico tão somente com o objetivo de fortalecer a mensagem do Cristo no coração humano terrestre, qual seja, o amor ao próximo, única verdadeira máxima universal que permite a ligação do espírito terreno com o espírito divino, na direção da libertação espiritual verdadeira.

Continuemos.

Older posts

© 2018 Servidores de Jesus

Theme by Anders NorenUp ↑